Desemprego bate novo recorde: 11,8%, atingindo 12 milhões de pessoas

seguro-desemprego.jpg

Total de pessoas trabalhando caiu 2 milhões em um ano, para 92,1 milhões

RIO – O desemprego voltou a bater recorde no país. A taxa ficou em 11,8% no trimestre encerrado em agosto, de acordo com dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio Contínua (Pnad), divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE. O dado — o pior da série histórica iniciada em 2012 — veio um pouco acima da mediana de projeções do mercado, compilada pela Bloomberg, que estimava o índice em 11,7%. A fila de desempregados chegou a 12 milhões de pessoas em agosto — também o maior contingente já registrado pela pesquisa.

Veja também

Eliseu Padilha, ministro da Casa CivilPadilha diz que ainda poderá haver agravamento do desemprego
Notas de real Brasil e Argentina têm mais impostos sobre trabalho na América Latina
Brasil fecha 33,9 mil postos formais de trabalho em agosto
Ronaldo Nogueira, ministro do TrabalhoDireito ao emprego foi suprimido por Dilma, diz ministro do Trabalho
Para Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, esses dois recordes negativos preocupam:

— É um quadro difícil. Nós estamos divulgando os dados de junho, julho e agosto, quando a economia já devia estar apresentando sinais de melhora, com o escoamento da produção para o final do ano. Era esperado que a taxa começasse a ficar estável. O que mais agravou a alta no grupo de desempregados é a população ocupada que não para de cair e consequentemente a população desocupada segue crescendo.

Em São Paulo, o presidente Michel Temer afirmou hoje que não é culpa sua a taxa de desemprego de quase 12%.

— Chegamos a quase 12 milhões de desempregados e reitero que não foi culpa minha — frisou o presidente.

No trimestre encerrado no mês anterior, o desemprego atingiu 11,6% da força de trabalho. Já de março a maio, período usado como base de comparação para a taxa divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE, o desemprego ficou em 11,2%. A alta foi ainda mais forte, de três pontos percentuais, na comparação com o mesmo trimestre de 2015, quando a taxa ficou em 8,7%.

Ao atingir 12 milhões, o grupo de desempregados cresceu 5,1% em relação ao trimestre de março a maio de 2016, quando o contingente de desocupados era de 11,4 milhões — um aumento de 583 mil pessoas. No confronto com igual trimestre do ano passado, este total subiu 36,6%, ou um acréscimo de 3,2 milhões de pessoas desocupadas na força de trabalho.

Já a população ocupada foi estimada em 90,1 milhões. Caiu 0,8% frente ao trimestre de março a maio de 2016, um decréscimo de 712 mil pessoas. Em comparação com igual trimestre do ano passado, quando o total de ocupados era de 92,1 milhões de pessoas, foi registrado recuo de 2,2% ou menos 2 milhões de pessoas no contingente de ocupados.

O número de empregados com carteira assinada é de 34,2 milhões. Segundo o IBGE, não apresentou variação estatisticamente significativa em comparação com trimestre de março a maio de 2016. Frente ao trimestre de junho a agosto de 2015, houve queda de 3,8% ou a destruição de 1,4 milhão de vagas com carteira assinada.

O rendimento médio real habitualmente recebido em todos os trabalhos foi estimado em R$ 2.011. Ficou estável frente ao trimestre de março a maio de 2016 (R$ 2.015) e também em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.047)

A massa de rendimento real habitualmente recebida em todos os trabalhos, que representa o total de rendimentos dos empregados, foi estimada em R$ 177 bilhões. Não apresentou variação significativa em relação ao trimestre de março a maio de 2016, mas recuou 3% frente ao mesmo trimestre do ano anterior.

Em relação ao trimestre de março a maio, houve queda do rendimento médio para os empregadores (-5%). Nas demais posições na ocupação não houve variação estatisticamente significativa do rendimento. Na comparação com o trimestre de junho a agosto de 2015, os ocupados como empregador tiveram queda no rendimento médio real habitual de 10%. Os empregados no setor privado sem carteira assinada e os empregados no setor público apresentaram acréscimos em seus rendimentos (5% e 3,6%, respectivamente). As demais categorias apresentaram-se estáveis nos seus rendimentos médios.

Na comparação com o trimestre de março a maio de 2016, os rendimentos médios de todos os grupamentos de atividade permaneceram estáveis. Frente ao mesmo trimestre do ano anterior, o único grupamento que apresentou queda em seu rendimento médio foram os outros serviços (-5,7%). Os demais não registraram variação significativa.

Fonte: http://oglobo.globo.com/economia/desemprego-bate-novo-recorde-118-atingindo-12-milhoes-de-pessoas-20206130